Reconhecer um AVC - Regra dos 5 F's

Reconhecer um AVC - Regra dos 5 F's
Sabia que o acidente vascular cerebral (AVC) é a principal causa de morte em Portugal?

O Acidente Vascular Cerebral (AVC) pode ser definido como interrupção súbita na circulação sanguínea para o cérebro, que assim fica impedido de receber oxigénio e nutrientes, indispensáveis à sua normal atividade, o que provoca a morte de tecido cerebral.

Classicamente o AVC é dividido em 2 subtipos: AVC Isquémico (um coágulo bloqueia o fluxo sanguíneo para uma área do cérebro) e AVC Hemorrágico (o sangramento ocorre dentro ou ao redor do cérebro).

Esta lesão pode causar manifestações funcionais, psicológicas, cognitivas e sociais, que podem influenciar significativamente a independência e estilo de vida da pessoa que sofreu um AVC. Porém, muitas das alterações podem ser tratadas, de modo a conseguir a recuperação completa ou parcial, dependendo da intensidade da lesão causada.

É considerado uma emergência médica e a rapidez de ação pode determinar a extensão dos danos e o grau de sucesso do tratamento. É essencial prestar atenção aos sintomas para poder identificar um AVC e desta forma procurar ajuda médica atempadamente.
Reconhecer os sintomas de AVC e sinais de alarme, recorrendo à regra dos 5 F’s:
Face: Assimetria facial - estes sinais poderão ser melhor percebidos se a pessoa afetada tentar sorrir;
Força: Falta de força num dos lados do corpo (braço ou perna) e súbita falta de equilíbrio;
Fala: Dificuldade em falar; A comunicação pode parecer estranha ou incompreensível e o discurso não fazer sentido (confusão). Com frequência, pode não compreender o que lhe é dito;
Falta de visão súbita: De um ou de ambos os olhos, é um sintoma frequente, bem como a visão dupla;
Forte dor de cabeça: Valorizar dor de cabeça súbita e muito intensa, diferente do padrão habitual e sem causa aparente.

Estes sintomas podem surgir de forma isolada ou em combinação, dependendo da zona do cérebro atingida.

A pessoa que sofreu um AVC deve procurar, o mais cedo possível, manter a autonomia, independência e ter um papel ativo na sua recuperação. A reabilitação multidisciplinar é um processo que requer a colaboração da pessoa que sofreu um AVC, da família e de uma equipa multidisciplinar de profissionais de saúde.

Após o período de hospitalização, e mediante a realização de uma avaliação funcional, emocional e intelectual, poderá retomar ao domicílio ou poderá ser considerada transferência ou internamento numa unidade especializada de reabilitação, com diversas tipologias conforme a gravidade da lesão e necessidade de reabilitação.

Assim sendo, a reabilitação é um processo centrado na pessoa e orientado por objetivos específicos, que deverá iniciar assim que possível, com o objetivo de melhorar a funcionalidade e alcançar o maior nível de independência no dia a dia.

Nota: Não esquecer que a pessoa que sofreu um AVC deve ser tratada com respeito e ser reintegrado no seu meio familiar e social, devendo ser dada apenas a ajuda necessária para a pessoa executar as tarefas do quotidiano.